05.12.2016
0 Comentários
Empreender

Blog Incrível: Reabertura Relâmpago das Inscrições!

banner_vendas-8

 

Olá, mulherada!

Para quem ainda não sabe, eu sou fundadora e orientadora do Projeto Blog Incrível, um curso online de 07 semanas que ajuda mulheres empreendedoras a:

  • Desenhar um plano de comunicação digital concentrado nos clientes ideais para o seu negócio;
  • Produzir calendários editoriais práticos e planos de conteúdo para blogs e mídias sociais;
  • Construir e fortalecer o relacionamento com clientes em potencial através dos seus canais de comunicação – blog, mídias sociais e emails;
  • Como vender mais através dos blogs e mídias sociais e
  • Como criar produtos digitais para diversificar sua renda e fontes de receita da sua empresa.

O Projeto Blog Incrível é um xodó da minha empresa e hoje temos mais de 16 mil pessoas cadastradas na nossa newsletter, interessadas em saber mais sobre nossos conteúdos exclusivos, nossos workshops gratuitos e também sobre a abertura das inscrições dele.

Nossa segunda turma fechou suas inscrições no fim do domingo passado, mas durante a semana eu recebi uma série de emails e mensagens inbox (WhatsApp inclusive) pedindo que eu divulgasse novamente o link de inscrição. São pessoas que tiveram a fatura do cartão fechada agora, para conseguir fazer um novo pagamento; pessoas que decidiram pagar no boleto bancário ou até quem decidiu de última hora fazer parte da nossa turma e quis correr atrás do preju. 🙂

Por conta disso, eu decidi reabrir excepcionalmente as inscrições do Projeto Blog Incrível, apenas até o fim do dia de amanhã. São poucas horas para você decidir se quer fazer parte da nossa turma e começar 2017 já com orientação e estratégia para alcançar mais clientes ideais para o seu negócio.

O curso conta com 07 módulos, liberados um por semana. E você pode assisti-los quando você quiser, onde você quiser, porque o acesso é online e ilimitado, vitalício.

Além dos módulos, nós temos também 09 bônus bacanudos para complementar a sua jornada e potencializar os resultados do curso. Sem falar nos 08 webseminários ao vivo e em grupo com a turma, que vão te dar suporte e acompanhamento durante todo esse processo.

Quer mais?

Uma mentoria em grupo ao vivo aqui no Rio de Janeiro. Você vai passar um dia comigo, conversando sobre marketing, comunicação digital, tudo voltado para o seu negócio, além de conhecer mais os bastidores da minha empresa. Só essa mentoria tem o valor de R$2000, mas vai ser dada a você sem nenhum custo adicional, apenas o valor da inscrição do Projeto Blog Incrível. 🙂

Como fazer parte da turma?

Simples. Vai até nossa página de inscrição e clica no botão verde para fazer sua inscrição e completar o pagamento. Lá no vídeo e na página de inscrição temos todas as informações sobre o conteúdo dos módulos, dos bônus e da mentoria ao vivo. E maaaaaais: você tem 45 dias para decidir se faz parte do nosso curso ou não. É a minha garantia para você, porque eu acredito muito no curso.

 

Clique Aqui: Inscrição do Projeto Blog Incrível

Eu não sei se você acredita em sinais ou acha isso coisa de maluco, rs. Mas eu acredito em Deus e acho que Ele nos manda de vez em quando mensagens através de músicas, das pessoas, dos textos que lemos, emails que recebemos… Se for para você fazer parte da nossa turma, para mudar algo no seu negócio que ainda te incomoda, que você acha que te limita, talvez esse seja o sinal que você esperava. Se não for para você, fique tranquila: continuaremos juntas por aqui, com o conteúdo de sempre no nosso super-blog. 🙂

Um beijo enoooorme!

Amanda Costa

07.11.2016
1 Comentário
Família

A Minha Maternidade é Minha

Quando eu fiquei grávida do Rico, eu surtei. Era algo que eu queria há muito tempo, mas a verdade é que eu tive um mini-siricutico quando eu vi o resultado do exame, sozinha, no banheiro do hotel em NYC. Fiquei pensando que jamais daria conta de educar uma criança, que eu tinha feito a maior burrada da minha vida, que eu nunca mais teria liberdade, que minha família invadiria minha privacidade com todas as forças e etc etc etc. Já deu para perceber o drama, né?

O parto foi um dia surreal. Porque eu estava numa tranquilidade absurda. Todo o medo que eu tinha com relação a algo dar errado no parto foi embora. Eu estava pronta e serena para receber meu filho, de um jeito tão, mas tão natural, que aquilo me assustou. Acho que a onda de adrenalina e ocitocina tava me dando um barato, ahah! Meu maior medo era de fazer cesárea, porque eu e cirurgia não nos damos muito bem, desde a minha cirurgia na coluna. Então o parto foi normal, ele chegou aos meus braços e tudo o que eu conseguia dizer era “é meu filho, esse é o meu filho”, em prantos.

O puerpério foi insano. Veja bem, eu surtei. Mas, assim, surtei pirada na batatinha. Eu cismei que eu tinha que ser uma super-mega-mother-fucker mulher. Então eu cuidava do meu filho durante o dia, trabalhava enquanto ele dormia e à noite, acordava de 15 em 15 minutos com os barulhos e engasgos dele, achando que ele ia morrer (gente, que desespero ver um mini-ser engasgando com refluxo). Eu era um zumbi, mas dizia para todo mundo que tava ótima. E seguia trabalhando. E trabalhando. E trabalhando. Até que, com seis meses de Ricardo em casa, eu lembro de ter tido uma super crise de choro sentada num cantinho do quarto dele. Eu estava exausta. Feliz, mas confusa com todos os sentimentos que eu tinha em relação ao cansaço e à maternidade como um todo.

De repente, com todo o cansaço, com toda a tristeza e o medo de não dar conta, aconteceu o que eu mais temia: eu senti a minha conexão com meu filho se perder. Eu olhava pra ele e não sentia mais aquela ligação forte, aquele amor louco. Eu escondia isso das pessoas, eu comentava pouco sobre isso com meu marido, que nunca entendeu a profundidade dessa situação. Eu não me sentia mãe do meu próprio filho. Isso coincidiu muito com os problemas na amamentação e com a minha volta ao trabalho no banco, depois da licença. Eu vi outras pessoas cuidarem do meu filho, darem mamadeira a ele. Isso me quebrou de uma forma quase mortal. Eu não sabia lidar com tudo aquilo. Nem consegui trazer esse assunto ao meu próprio terapeuta. Seguimos eu, Ricardo e minha dor profunda, de forma silenciosa, rumo ao primeiro ano dele.

Depois do primeiro ano do Rico, em que ele começou a interagir mais e eu comecei finalmente a olhar pra dentro de uma forma mais amorosa e honesta comigo mesma, percebi o quanto eu amava, sim, meu filho. Não vem ao caso falar isso de forma muito clara aqui, mas o que eu posso dizer é que precisei destruir várias crenças e também laços em relacionamentos que tiravam a minha força como mãe, como mulher e como profissional. Eu finalmente tomei posse do meu papel de mãe e de tudo o que ele representa na minha vida e na vida do meu filho.

A minha maternidade é só minha. A forma como vou criar meu filho, como vou mostrar a ele valores e princípios, se ele vê TV ou lê livros ou brinca com brinquedos educativos, se come ou não come carne, se sai à noite comigo ou se dorme cedo, tudo isso é só meu e da minha família – leia-se aqui eu, meu marido e Ricardo. Se eu conto com uma babá? Conto sim, porque eu quero respirar durante o dia, quero sair, quero trabalhar. Hoje não me acho menos mãe por conta disso. Rico dormiu no berço e depois foi para o futon, nunca deixei ele dormir na minha cama direto. Por quê? Porque eu sempre quis ter o meu espaço e sempre quis ensiná-lo que eu tô do lado dele, mas ele tem o espaço dele, a autonomia dele, a independência dele. Eu também viajo sozinha, viajo só com meu marido e viajamos a três também.

Eu me enxergo com minha própria identidade, Amanda-eu-mesma-sem-filho, e me enxergo Amanda mãe. E hoje eu sou bem resolvida com isso, porque antes eu entrei em colapso por achar que tinha que seguir um modelo de maternidade que não era o meu, que era um modelo que me foi passado por vários motivos e que me sufocava, porque não me traduzia, não traduzia meu amor.

E sabe o que é mais incrível nessa história toda? Eu tinha pavor de pensar numa segunda gravidez. Não só por medo do trabalho que dá, rs, mas por medo de me desconectar de novo do meu bebê. Só que agora eu me vi tomada de uma consciência e uma força tão poderosa que eu quero aumentar nossa família em breve.

Você pode pensar diferente de mim e tá tudo bem! Sabe por quê? Porque a sua maternidade também é só sua! E você tem o poder e a liberdade de desenhar a história que melhor achar para você e seu filho, sempre. Não deixem que tirem isso de você. E viva cada segundo dessa história, da forma que você puder, dentro de uma maternidade possível, uma maternidade que respeite a sua essência e a essência do seu filho. Minha amiga, um grande brinde ao empoderamento materno. 🙂

01.11.2016
0 Comentários
Empreender

07 Sistemas de Gerenciamento de Mídias Sociais Que Você Precisa Conhecer Ainda Hoje

empreendedorismo_sistema_gerenciamento_midiassociais

 

Uma gigante e incrível fonte de conteúdo, insights e dados mega relevantes: estou falando das… mídias sociais! É dever das marcas e das lideranças observar, organizar e interpretar a chuva de informações que podem ser extraídas de lá, para utilizar tudo isso em favor dos seus objetivos e estratégias dentro do mercado.

De olho nessa mina de ouro, diversos softwares de gerenciadores de mídia ganharam o mercado e o coração das grandes empresas e das pequenas empreendedoras (na maioria das vezes, quem é EUpresa administra sozinha suas próprias mídias sociais – olha o sufoco!).

Seja em uma escala maior ou menor, a aderência ao gerenciador é uma forma de otimizar a rotina; afinal, o tempo que se gasta organizando postagens em mídias sociais diferentes pode ser utilizado em outras tarefas como, por exemplo, aprimorar produtos e serviços, prever oportunidades ou identificar tendências.

“Mas diante de tantas ofertas de app’s diferentes, qual é aquele que posso começar a usar sem medo de ser feliz?”, você deve estar se perguntando. A variedade é imensa mesmo e é exatamente por isso que eu vou te apresentar um super mapa com os gerenciadores mais conhecidos e utilizados do mercado, para te direcionar ao que mais se adequa a sua necessidade.

Sem dúvidas, algum dessa lista abaixo vai falar mais a sua língua e te ajudar a fazer sua rotina de postagens fluir.

O importante é você sentir que aquele gerenciador escolhido te atende e funciona para você, essa é a chave!

Vamos lá?

 

MLabs:

O que gerencia: Ele é bem democrático e agenda publicações nas principais mídias sociais, como Facebook, Twitter, Instagram, Youtube, Pinterest e LinkedIn.

Ponto alto: O bacana do MLabs é que ele possui sistema de workflow para organizar as novas demandas (tarefas), facilitando o trabalho em equipes mais enxutas.

Indicado para: É ótimo para quem trabalha com uma equipe de mais de uma pessoa, pois tem um sistema de aprovação de conteúdo e a possibilidade de atribuir funções separadas a cada membro.

Particularidades: O sistema não possui aplicativo, mas o site é super responsivo e atende bem no mobile. Os planos são bem honestos e o valor é a partir de R$ 12,90.

 

Instamizer:

O que gerencia: Como o próprio nome diz, só atende ao Instagram! Mas…

Ponto alto: Ele tem a vantagem de facilitar o compartilhamento das postagens do Insta em outras mídias sociais, como o Facebook e o Twitter. Ele também publica automaticamente as fotos no seu perfil (observação: isso é polêmico, porque o API do Instagram proíbe essas publicações automáticas, podendo bloquear a sua conta se identificar alguma movimentação insegura nela, ok?).

Indicado para: Marcas de produtos ou serviços que têm em sua estratégia o investimento em interação no Instagram, já que o aplicativo possibilita comentar, seguir e curtir de maneira automática.

Particularidades: Você pode gerenciar múltiplas contas, agendar publicação de vídeos e ainda compartilhar perfis específicos com sua equipe. A utilização do aplicativo é gratuita para 01 perfil com 08 postagens/mês.

 

Scup:

O que gerencia: Todas as mídias sociais!

Ponto alto: Sabe o sonho de consumo de um social media? Então, é o Scup. A plataforma permite que o que é falado sobre uma marca seja monitorado em 13 mídias sociais ao mesmo tempo. Ele também funciona como CRM: tem o objetivo de concentrar o máximo de tarefas da sua empresa em um lugar só.

Indicado para: Grandes empresas principalmente. Se a sua marca tem uma grande base de fãs e o monitoramento de consumidores/concorrência/reputação da marca é uma necessidade para sua estratégia fluir, o Scup é ideal para você.

Particularidades: Você pode realizar campanhar super segmentadas, criar base de dados de clientes e acompanhar as menções positivas e negativas à sua marca com a funcionalidade “Classificação automática de sentimentos”, além do tradicional agendamento de postagens, claro! Para tanto, R$ 950/mês é o investimento inicial. O Scup tem versão mobile.

 

Buffer:

O que gerencia: Facebook, Twitter, Instagram, Google +, Pinterest, LinkedIn

Ponto alto: O Buffer tem como seu diferencial a possibilidade de permitir gerenciar não só as mídias em geral, mas grupos no Facebook. Maravilhoso, né?

Indicado para: Marcas que tenham como valor a aproximação com os fãs, através de fóruns, grupos e comunidades.

Particularidades: Outra vantagem do Buffer é que você pode criar o seu conteúdo através do “Pablo”, uma plataforma de edição de imagens interna para mídias sociais. Há planos que a partir de US$ 10 te permitem gerenciar 10 contas. O Buffer tem versão aplicativo também.

 

Etus:

O que gerencia: Facebook, Twitter e Instagram

Ponto alto: A padronização de hashtags e assinatura de posts em todas as publicações são alguns diferenciais.

Indicado para: Equipes de marcas que desejam e necessitam de praticidade no relacionamento com as mídias sociais.

Particularidades: Um diferencial bacana é o encurtador de links, os emojis e o sistema Repost do Instagram integrados, que facilitam, pois você não precisa sair da plataforma. O Etus possui aplicativo, planos variados e os preços são bem honestos, a partir de R$ 8,91/mês.

 

Hootsuite:

O que gerencia: Twitter, Facebook, Youtube, LinkedIn, Tumblr e WordPress

Ponto alto: O Hootsuite tem planos segmentados segundo o tipo de público que pode o utilizar, como empreendedores, proprietários ou agências.

Indicado para: Marcas que utilizam blogs e desejam aumentar o tráfego.

Particularidades: O aplicativo é usado por milhões de pessoas e contém soluções para monitoramento, análise, engajamento e colaboração, tudo em uma só plataforma. Os preços são a partir de R$ 35,90, mas possui opção gratuita.

 

Hubspot:

O que gerencia: O Hubspot é uma plataforma de gerenciamento completa, que pode cuidar do seu relacionamento com clientes (CRM), de todo o seu marketing e das suas mídias sociais.

Ponto alto: A marca criou o conceito do inbound marketing (explicado de forma mais simples, o nosso querido marketing de conteúdo!). Demais, né? O foco do aplicativo é em vendas e gerenciamento de clientes potenciais e todas as suas ferramentas são integradas.

Indicado para: Marcas que desejam uma plataforma integrada de marketing e de vendas.

Particularidades: O plano básico do Hubspot possibilita um banco de dados de até 100 contatos e recursos como social inbox, email marketing, blog e landing pages. O preço? A partir de US$ 200/mês.

 

Ufa! Vale lembrar que esses são alguns dos mais conhecidos do mercado, mas se você conhecer algum outro gerenciador e quiser contar pra gente nos comentários, vamos adorar saber!

E sobre esses que citamos, qual parece se adequar mais a sua dinâmica de empreendedora, hein?

Um beijo!

Topo